Pelas ruas de Budapeste, caminham as várias versões de mim

4:56 PM

Eu não sei bem quando aconteceu, mas de repente como uma leve perturbação na consciência, eu me dei conta de que havia me perdido.


É difícil aceitar que talvez você não seja mais a mesma com que estava acostumada, e mais difícil ainda é tentar detectar se isso é bom ou ruim, principalmente porque o que na minha antiga versão era bom ou ruim, importante ou desimportante, pode ter sofrido inúmeras inversões de valores e já não ter o mesmo significado de antes. E agora, como saber se eu sou mesmo, ou se sou esse cara do lado? (muito fã de Dias de Truta sim).

O fato é que mudamos, não é mesmo? como seria possível acompanhar todas as multiplicidades do mundo caso não passássemos de uma massa em inércia e inalterável? Nós mudamos, afinal. Estamos em constante contato, em constante agitação, somos átomos gritantes e pulsantes que retiram do meio e também dão a ele, e esse não passa de um lampejo da Rafaela de agora, mas quem será capaz de dizer o que a Rafaela de depois terá a dizer?

Há uns quatro anos eu escrevia incessantes resenhas literárias para um blog literário, e de repente não escrevia mais, de repente eu falava sobre tudo, acompanhada de uma amiga, no Tô Bem, Tô Zen, e logo depois eu me debruçava sozinha sob o mesmo falando sobre mim, e bem, agora já não mais. Uma nova versão de mim ascendeu em algum momento entre o crepúsculo e o amanhecer, e aquele antigo lugar vestido em tons de rosa e cinza já não era suficiente para suprir os meus anseios e guardar pedaços de mim. E para além do mundo virtual eu realmente consigo sentir minhas várias versões se chocando, e eu não vou mentir, tenho medo pra caramba de onde suas intercalações irão me levar, medo das baixas e das pessoas e momentos que posso perder no caminho.

foto antiguinha que eu amo
Mas a vida é assim, e essa sua mutualidade mesmo me dando medo, também me atrai de forma surpreendente. Tenho tido uma enorme curiosidade em desvendar o caminho, em me aceitar e me aventurar, caminhar por entre ensinamentos buda, pela música folk americana, ser levada a Budapeste pela vibração sonora de George Ezra cantando ao meu ouvido enquanto bebo um chá de erva cidreira.. Eu descobri que amo a interdisciplinaridade, eu sou inter e sou ligação, e essa foi a menor das descobertas da semana. 



You Might Also Like

21 comentários

  1. Blog lindo e cara, texto maravilhoso, amei, lindas palavras ...aaaa ainda tenho muito chão pra chegar até aqui viu, escrever e falar tão bem assim quanto tu? que escreveu lindamente, amei, muuto bonito mesmoooo
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. carca, que elogio! imagina, Fe, você arrasa demais na escrita!! muito obrigada por esse comentário lindo *-*

      Excluir
  2. Profundo e cheio de sinceridade. Amei! ♥ Escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  3. Creio que a vida seria muito chata sem estes processos de mudança, aproveite seu autoconhecimento amiga <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, a vida seria bem sem gracinha mesmo! hahaha. Bom autoconhecimento para nós, miga <3

      Excluir
  4. Graças a Deus, mudamos sim não é? A capacidade de o ser humano evoluir esta sempre ligado as nossas experiencias, nossos convívios e nada mais normal que mudar de gosto, de vontade, de amores, amizades ... É natural, nada disso é ruim, e as pessoas a nossa volta vão mudando conosco, a vida vai mudando, a cidade, tudo. As vezes a gente tem medo até de deixar de saber quem nós somos, mas sempre podemos nos redescobrir, quantas vezes forem necessárias. Eu adorei o teu texto, deu gostinho de ler até o final ♥

    http://www.leitecombiscoitos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delicinha de comentário ♥ É isso aí mesmo, amém mutualidade!!

      Excluir
  5. Que delicinha esse texto!
    Me fez pensar em você como borboleta recém saída do casulo. Não tava mais cabendo aonde estava e está encontrando outras formas :)

    Yellow Ever Shine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que interpretação mais fofaa, isso mesmo, Lari!!

      Excluir
  6. Que texto mais lindo ! É importante que a gente respeite esses momentos, e entenda que não vale a pena forçar se não nos sentimos bem com algo, ter essa consciência faz com que a gente consiga entender quem somos em noss espectro mais íntimo. o que realmente faz com que a gente amadureça, não cabe a nós qualificar o nosso antigo eu, mas sim entender as necessidades de quem somos agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo digo eu, foi isso mesmo que eu quis expor no texto!

      Excluir
  7. Aaah, que texto mais lindo. E como me identifiquei! Tb mudei tanto com o tempo, e as vezes sinto medo tb de onde isso tudo vai me levar. Acho que a gente precisa nessas horas parar pra refletir e se encontrar.
    Muito bom compartilhar com vc os mesmos sentimentos

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que você tenha se identificado, Pri <3 <3

      Excluir
  8. Adorei Rafa! Se fossemos imutáveis seriamos seres muito chatos (e fadados sempre aos mesmos erros, pré-conceitos e mimizices, haha).

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Grazy, ainda bem que somos detentos da faculdade de mudança, não é mesmo?

      Excluir
  9. Oi, seu blog é tão lindo e você escreve tão bem, estou apaixonada no texto <3 Ainda bem que a gente muda <3 Muda e depois floresce.
    Charme-se

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Que texto lindo! Amei mesmo! ♥

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, seu comentário me deixa muitíssimo feliz <3